Pesquisar este blog

sábado, 24 de novembro de 2012

Fluminense- Unimed (opinião)


Sempre quis escrever sobre a Unimed, mas sempre deixei para depois. Agora que a inveja dos rivais e de alguns jornalistas atingiu o grau máximo, resolvi escrever.
Primeiro, não tenho muitos conhecimentos sobre como é de fato essa tão falada relação Unimed-Fluminense, sei o básico e mesmo nesse básico posso está errada, a Unimed  é uma cooperativa de médicos , que criaram um plano de saúde, inicialmente em Santos- SP e hoje presente em 83 % do território nacional. A Unimed Rio usa o dinheiro destinado ao marketing, para patrocinar um time de futebol, no caso o Fluminense. Ou seja a Unimed não tem dono é uma cooperativa,  e Celso Barros é um executivo, eleito por um conselho e a Unimed Rio é patrocinadora do clube. E esse patrocínio em sua maior parte se destina ao pagamento de salários de jogadores, e em menor parte é destinada  ao Clube.
Minha a analise não leva em conta o questionamento de torcedores, porque lógico que qualquer torcedor vai diminuir o feito do rival, ele não tem isenção  é movido a paixão,  e mesmo meu texto é contaminado pelo fato de ser tricolor.
Posso tentar, mas não serei imparcial, e sim vou defender o Fluminense. Partindo desse pressuposto claro e colocado no texto,  questiono  os analistas imparciais, jornalistas ou de qualquer outra formação, que escrevem nos jornais, nos sites, redes sociais , que falam nas mesas de debates nas rádios ou na TV e etc.
Quando vemos um apresentador de programa esportivo, dizer o "dono da Unimed", com expressão de deboche e ou asco, ou lhe falta conhecimentos sobre o assunto, ou está mal intencionado, se não sabe, não fala, não sou jornalista, mas acredito que seja assim.
Alguns analistas "imparciais", colocam em seus textos ou suas falas, a expressão "Flunimed", ou dizem: com a Unimed é fácil,  não é Fluminense é sim Unimed. Bom, nunca vi nenhum time e nenhuma seleção ser tão estigmatizada por causa de seu patrocinador como o Fluminense, tivemos o Flamengo sendo patrocinado pela Petrobras, durante muitos anos, a seleção de vôlei do Brasil é patrocinada pelo Banco do Brasil há muitos anos,e não carregaram e nem carregam esse estigma de que é  algo pernicioso ao time, a sociedade ou ao campeonato, pelo contrario são vistos como algo bom, "ajuda ao esporte"  são só dois exemplos entre outros. Todos os times, hoje em dia, tem as camisas conspurcada por marcas, até mesmo o Barcelona. A camisa do Tupi da minha cidade, Juiz de Fora, é cheia de patrocínios, grande parte dos Clubes do mundo devem milhões e vivem de marketing. Qual é a diferença do Fluminense?
"O mecenas Celso Barros." Ouvir ou ler essa frase de um colega tricolor de arquibancada ou de twitter, é aceitável. Um jornalista ou outro profissional,  tem todo direito e liberdade de dizer o que quiser na imprensa, mas  como torcedora, tenho todo  o direito e liberdade de me sentir ofendida.  Irônica frase, que nada tem  a ver com os mecenas renascentistas, mas sim uma alfinetada nas entrelinhas: " O Fluminense é um time falido,  com uma  torcida insignificante, incapaz de consumir, de gerar retorno a qualquer investidor, mas tem a sorte de ter um mecenas, um patrocinador paternalista, um louco endinheirado, pronto para fazer qualquer loucura com o dinheiro que tem, assim ele investe insanamente em seu clube do coração." Não tenho os dados exatos, mas basta pesquisar como a Unimed cresceu com a parceria com o Flu, o que era a Unimed há 13 anos? Não sei exatamente como são as coisas na empresa, mas o Celso Barros não é dono do plano de saúde, ele é eleito por um conselho, e se fosse um "Mecenas", e o Fluminense estivesse dando prejuízo aos cooperados, Barros não se reelegeria, e a parceria com o clube seria rompida, estamos num mundo altamente capitalista e não na Idade Moderna. Agora teremos a Caixa Econômica Federal patrocinando o Corinthians, não entrarei no mérito desse patrocínio, se é saudável um patrocínio de uma estatal. Mas veremos enfoque dado a essa relação pelos especialistas. "Um negócio bom para ambos", foi o que já li.
"Quero ver quando a Unimed sair.' " Vai ser igual quando a Parmalat saiu do Palmeiras." Os exercícios de futurologia eu deixo para as cartomantes.
" A relação entre a Unimed e o Fluminense não é saudável, não é boa para o clube." Aceito  essa critica, mas ela não pode vir da mesma pessoa  que diz que o Fluminense só  ganha por causa da Unimed. Essa é uma discussão nossa, da nossa torcida, de dentro do clube,  sim o Fluminense tem que se posicionar mais fortemente nessa relação. Esse é o melhor modelo de gestão? Não sei.  Analiso os fatos, o Fluminense  ganha campeonatos, mas tem uma péssima estrutura.  E vencemos o campeonato brasileiro de 2012 com 40 % de jogadores vindos de Xerém. Coisa que os analistas não falam.
 Aceito as  críticas dos realmente imparciais.

2 comentários:

  1. Você mesma disse, meu comentário está cheio de conceitos tricolores. Mas veja, concordo contigo em quase tudo, mas vou além. Esse patrocínio que todos desconhecem os reais valores, poderia estar sendo bem melhor para o Flu. Isso parece verba do petróleo para o Rio. O Flu até hoje não tem um estádio nem muito menos um CT. O que está ficando de verdadeiro desse casamento? Nada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com vc, o patrocínio podia ser melhor empregado, essa critica eu aceito como disse no texto... O meus questionamento é justamente esse, o Fluminense só ganha por causa da Unimed ou usa mal o patrocínio? O Fluminense é execrado pela mídia, por conta do patrocínio, não aceito por que ela devia ser um pouco isenta, os rivais, eles vão criticar, aceito. Não fica nada do casamento, vc disse, então, os títulos não podem ser creditados 100% para Unimed.

      Excluir